Julgamento de Nuremberga (1961)

18:05

INTERPRETAÇÕESSpencer Tracy, Burt Lancaster, Richard Widmark, Marlene Dietrich, Maximilian 
Schell, Judy Garland, Montgomery Cliff
DIRECTORStanley Kramer | ANO: 1961 | NOTA9,5


Hoje trago-vos a minha opinião do filme de Março e Abril para o projecto conjunto com a Chris - Pipocas | Óscares | Acção. Para estes dois meses o escolhido foi o filme O Julgamento de Nuremberga, um filme de 1961.

No ano de 1962 celebrou-se a 35ª edição dos Óscares e foram cinco os nomeados para Melhor Filme.
Vamos começar pelo vencedor do ano que foi West Side Story. Este foi um dos filmes desta lista que eu já vi e, apesar de considerá-lo um musical muito importante e gostar da maioria das músicas, enquanto filme não é propriamente um dos meus preferidos.
O outro filme da lista que eu já vi e até tenho na minha colecção é Os canhões de Navarone, um filme de guerra diferente, em que um grupo britânico tem a missão de destruir um canhões alemães num terreno grego ocupado. É  uma boa história com um bom elenco, entre os quais Gregory Peck, David Niven e Anthony Quinn.
De seguida, temos o filme The Hustler, um dos mais famosos filmes de Paul Newman, um actor pelo qual tenho uma big crush. Só vi pedaços soltos deste filme mas um dia quero muito vê-lo na totalidade.
Por fim, temos o filme Fanny que é um filme do qual eu nunca tinha ouvido falar. Pelos vistos, é um filme romântico que decorre no sul de França. É considerado por muitos um filme underated e, como tal, vou colocá-lo na minha lista de filmes a ver (que já é gigante:P).


Passando agora ao filme escolhido, O Julgamento de Nuremburga é um filme baseado em factos reais. Após a II Guerra Mundial, as autoridades dos E.U.A. organizaram em Nuremburg 12 julgamentos de crimes de guerra. Este filme inspira-se no terceiro destes julgamentos que ficou conhecido como o "Judges' trial" pois levou a tribunal 16 advogados e juízes alemães.

Tinham passado três anos desde que os mais importantes líderes nazistas tinham sido julgados em Nuremberg. Dan Haywwod (Spencer Tracy), um juiz americano aposentado, tem uma árdua tarefa, pois preside o julgamento de quatro juízes que usaram seus cargos para permitir e legalizar as atrocidades nazis contra o povo judeu durante a II Guerra Mundial. À medida que surgem no tribunal as provas de esterilização e assassinato a pressão política é enorme, pois a Guerra Fria está chegando e ninguém quer mais julgamentos como os da Alemanha. Além disto os governos aliados querem esquecer o passado, mas a coisa certa que deve se fazer é a questão que este tribunal tentará responder.

Em primeiro lugar, tenho de vos dizer que nunca tinha ouvido falar deste filme antes de o seleccionarmos como o filme a ver e, apesar da alta pontuação no IMDB, parti para reste filme sem grandes expectativas. Acabei por ter uma óptima surpresa pois adorei e vibrei com ele e, até agora, é um dos meus filmes favoritos do ano.


Para mim, é sempre mais difícil falar dos filmes quando gosto tanto deles mas vou tentar dar-vos algumas razões para ver este filme. Podemos começar pelo argumento que é excelente, repleto de diálogos e declarações em tribunal muito bem escritos. De facto, este filme acabou por ganhar o Óscar de Melhor Argumento Adaptado nesse ano (argumento adaptado por Abby Mann a partir do seu livro com o mesmo nome).
É um filme que nos faz pensar em como foi que a Alemanha chegou aquele ponto, qual o papel dos juízes alemães (serão culpados por seguir a lei do país, por mais errada que esta esteja?), qual o papel do povo alemão (fecharam os olhos às atrocidades ou realmente não sabiam do verdadeiro alcance do que se estava a passar?), qual o papel do resto do mundo que, enquanto lhes era conveniente, promoveu a ascensão de Hitler ao poder, etc... É um filme que nos mostra vários pontos de vista e que realmente são pertinentes e promovem a reflexão. Apesar disso, penso que a mensagem final é importante...nunca devemos esquecer e desculpar o que se passou!


Depois temos o ritmo..o filme tem a duração de 3 horas mas nunca me senti entediada ou desinteressada. Existe um perfeito balanço entre as cenas do tribunal, cheias de argumentos thought-provoking e declarações emotivas, e as cenas fora do tribunal em que a personagem do Spencer Tracy procura conhecer melhor Nuremberga e o povo alemão.


E para finalizar, e talvez o mais importante, temos as excelentes representações de um verdadeiro elenco de luxo. Spencer Tracy tem uma interpretação genuína e carismática, mesmo sendo o juiz que acaba por não ter discursos tão poderosos como as outras personagens. Maximilian Schell, que interpreta um dos advogados de defesa, é arrebatador e mereceu, sem dúvida, o Óscar de Melhor Actor Principal que recebeu. Outras duas interpretações que, apesar de breves, são muito emotivas e memoráveis são as de Judy Garland e Montgomery Cliff, e ambos foram nomeados para Óscares de Actores Secundários. 








Concluindo, se gostam de filmes que decorrem em tribunais ou filmes que abordam a II Guerra Mundial (para além dos campos de concentração) não deixem de ver este filme. Penso que a minha "crítica" não faz jus a ele!




E vocês? Já viram este filme ou algum dos nomeados de 1962?


Opinião da Chris aqui

Sugestões

3 comentários

  1. Hás-de ver a versão mais moderna deste filme com o Alec Baldwin. É excelente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a mini série não é? Tenho de ver então um dia:) Eu achei este espectacular

      Eliminar
    2. Se sacares o ficheiro, é apenas um e de seguida. Foi assim que vi há muitos anos e há pouco tempo.

      http://www.imdb.com/title/tt0208629/?ref_=nv_sr_1

      Eliminar